Autor

Lúcia Vicente

Lúcia Vicente nasceu em outubro de 1979, à beira da Ria Formosa, em Faro, numa família cheia de mulheres. Foi a primeira desse núcleo a concluir uma licenciatura. Cedo se questionou sobre o papel da mulher na sociedade e por que razão os livros de História nunca mencionavam mulheres.

Em 1995, criou, juntamente com um grupo de amigos, o coletivo feminista MUPI (Mulheres Unidas Pela Igualdade), e dedicou-se ao ativismo feminista em adolescente.

Em 1997, foge rumo a Lisboa, onde se licenciou em História e História Cultural e das Mentalidades na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Em 2007, ingressa no mestrado de Estudos de Género da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, que nunca o terminou por diferenças ideológicas e de pensamentos históricos inultrapassáveis: teimava em olhar a História das Mulheres através dos olhos das mulheres e não pela lente dos Homens.

Em 2018 publicou o seu primeiro livro feminista para crianças, Portuguesas com M grande – os livros de princesas sempre lhe provocaram urticária.

Feminismo de A a Ser é o seu segundo livro.

Do mesmo autor

show blocks helper

Plano Nacional de Leitura

Géneros

Chancela

Coleção

Filtrar por preço

Raízes Negras

15,71

Uma celebração de pessoas negras visionárias que tiveram a coragem de sonhar e mudar a sua vida.

E a dos outros.

Com o apoio da CICDR – Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial

Prefácio de Beatriz Gomes Dias

Sarita Rebelde Quer Ser Astronauta

8,91

A SARITA É UMA MENINA MUITO CURIOSA E DECIDIDA QUE ADORA EXPERIMENTAR COISAS NOVAS.

SÓ NÃO GOSTO NADA QUE LHE DIGAM O QUE AS MENINAS PODEM OU NÃO FAZER.

Uma nova colecção rebelde para nos relembrar que nada é maior do que o sonho de uma criança.

Portuguesas com M grande

15,71

As vidas das mulheres mais rebeldes que fizeram história e mudaram o mundo em português!

«Há uma urgência neste livro. A urgência de dar a conhecer os nomes e as vidas destas mulheres. Absorvam-no, surpreendam-se e espalhem a notícia. O caminho que está ainda por fazer está mesmo aqui à nossa frente.»
Marisa Matias, investigadora e eurodeputada