• 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Shop

21,55

Preço fixo até 30/09/2021 (?)

Preço livre (?)

Grande Sertão: Veredas

Grande sertão: Veredas, o único romance e a obra-prima de João Guimarães Rosa, caiu com estrépito no panorama literário brasileiro, em 1956. Revolucionário na forma - praticamente inventou uma língua nova - e no conteúdo, Grande sertão: veredas mudou a literatura e assumiu-se, desde o primeiro dia e ao longo do tempo, como uma das mais importantes obras literárias da língua portuguesa, comparada - na ambição e na universalidade - a obras como Os Lusíadas, Dom Quixote e Fausto.

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_2
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

ISBN 9789896658137

Data de publicação Outubro de 2019

Edição atual 3.ª

Páginas 472

Apresentação capa mole

Dimensões 145x230mm

Género Ficção, Literatura

Idade recomendada Adultos

Partilhar

Plano Nacional de Leitura

Literatura - 15-18 anos - Maiores de 18 anos

Definido pelo próprio Guimarães Rosa como "autobiografia irracional", o romance usa como cenário o sertão brasileiro e os trilhos - "veredas" - que o gado vai sulcando no terreno árido, uma rede complexa de caminhos na qual é fácil perder o rumo - como na vida, como no mundo.

No centro da encruzilhada está Riobaldo, protagonista-narrador, jagunço feito fazendeiro, que vai desfiando as suas memórias a um interlocutor desconhecido enquanto faz a sua travessia, debatendo-se entre deus e o diabo, entre o bem e o mal, a luz e as trevas.

E dentro de Riobaldo está tudo: está o amor, o sofrimento, a força, a violência e a alegria de todos os homens e mulheres. Porque "o sertão é do tamanho do mundo".

Os elogios da crítica:

"Rosa não escreve sobre o sertão. Escreve como se ele fosse o sertão. Um sertão que se enche de estórias para contrariar o curso da História."

Mia Couto

"A Língua Brasileira tem neste livro o seu maior chamado. Os mil povos que compõem a cultura do Brasil convergem neste esplendor. Este romance não é um romance, é um país deitado às palavras, levantado das palavras."
Valter Hugo Mãe

"Este é o grande sertão da Língua, onde o verbo abraça a brisa - e a transforma, onde o amor se desdobra como mistério quieto - e quase desflora, onde a literatura se afirma universal - mas como delicado quintal. Nestas páginas há veredas que murmuram dois potentes segredos com nome de flor e homem: Rosa, Guimarães. A vida se aumenta. O leitor sonha. A literatura renasce."
Ondjaki

"Quando lemos Guimarães Rosa e seu maravilhoso Grande Sertão: Veredas, tem algo dito ali que não pode ser dito de outra forma. (#) A grande visão da vida que nos dá uma obra literária é o que faz esta obra ser grande."
Mario Vargas Llosa

"Nunca vi coisa assim! É a coisa mais linda dos últimos tempos. Não sei até onde vai o poder inventivo dele, ultrapassa o limite imaginável. Estou até tola. A linguagem dele, tão perfeita também de entonação, é diretamente entendida pela linguagem íntima da gente - e nesse sentido, ele mais que inventou, ele descobriu, ou melhor, inventou a verdade."
Clarice Lispector (carta a Fernando Sabino)

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Grande Sertão: Veredas”

O seu endereço de email não será publicado.

Relacionados