• 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Shop

11,65

Preço fixo até 30/11/2023 (?)

Preço livre (?)

Sinopse de amor e guerra

Um romance que questiona os limites do que podemos e devemos fazer por amor.

De um dos mais elogiados escritores portugueses contemporâneos.

Recomendado pelo Plano Nacional de Leitura

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_2
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

Autor(a) Afonso Cruz

ISBN 9789896658113

Data de publicação Dezembro de 2021

Edição atual 1.ª

Páginas 184

Apresentação capa mole

Dimensões 145x230mm

Género Ficção, Literatura

Idade recomendada Adultos

Partilhar

Plano Nacional de Leitura

Literatura - Cultura e Sociedade - 15-18 anos - Maiores de 18 anos

«Enquanto a guerra é uma tragédia, a maior de todas, o amor é uma felicidade, a maior de todas, mas há algo em comum: quando se ausentam, qualquer um deles, deixam uma ferida eterna na proporção da perda que proporcionam.»

Theobald Thomas e Bluma Janek estão fadados a ficar juntos desde que vêm ao mundo. Os livros são o seu ponto de encontro. Mas a Berlim do pós-guerra, uma cidade enlutada e pidida, haverá de contrariar o que o destino parecia ter escrito.

Numa noite de Agosto, sem aviso, o chão de Berlim é rasgado pelos alicerces de um muro - o mais famoso da História - e a promessa do primeiro beijo fica adiada.

O romance de Afonso Cruz parte de uma trama real em que o amor e a guerra se entrelaçam para questionar certos limites, encontrando no fado inpidual de dois amantes o reflexo de algo universal: o que seríamos capazes de fazer por paixão, que barreiras ultrapassaríamos? Pode o amor saltar muros sem que alguém se magoe?

Os elogios da crítica:

«Afonso Cruz alcançará um lugar muito destacado nas letras portuguesas.»
El País (Espanha)

«Em A boneca de Kokoschka, o escritor português Afonso Cruz, vencedor do Prémio da União Europeia para a Literatura, escreveu um romance por excelência, que está destinado a tornar-se um clássico de esplendor quase bizantino. (…) Cruz constrói uma narrativa labiríntica - ao melhor nível de Gabriel García Márquez - e convence-nos de que "nada é mais profético do que a literatura".»
Catherine Taylor, The Irish Times

«Muito mais do que uma leitura recomendável; estamos perante um dos grandes livros da temporada,cheio de engenho e imaginação. Jesus Cristo bebia cerveja é uma lição de literatura.»
Revista Quimera (Espanha)

«Jesus Cristo bebia cerveja é um romance transgénero; uma tragédia rural, rude e desesperada, uma história bucólica - a que não falta um pastor rústico e uma jovem que se banha nua no rio -, uma fábula política e aindauma farsa. Joga em todos estes registos romanescos e desafia todas as convenções.»
Éric Chevillard, Le Monde (França)

«Jesus Cristo bebia cerveja é um romance colorido e extraordinariamente inteligente. Cruz usa uma linguagem multiforme, ousada, irónica, afiada. E densa.»
Giovanni Dozzini, Europa (Itália)

«Um verdadeiro escritor, tão original quanto profundo, cujos livros maravilhamo leitor, forçando-o a desencaminhar-se das certezas correntes e a abrir-se a novas realidades.»
Miguel Real, Jornal de Letras

«Afonso Cruz pertence a uma rara casta de ficcionistas: os que acreditam genuinamente no poder da efabulação literária. Em Para onde vão os guarda-chuvas o escritor está no auge das suas capacidades narrativas e serve-se delas para criar um Oriente inventado, onde as histórias brotam debaixo das pedras e se entrelaçam com extraordinária coesão.»
José Mário Silva, Expresso

«Para onde vão os guarda-chuvas é o ponto mais alto da capacidade narrativa e de efabulação de Afonso Cruz. (…) O que poderia não passar de um exercício de demonstração de sabedoria é um livro cheio de humanidade, muitas vezes brutal, e de um apurado sentido estético. Magnético.»
Isabel Lucas, Público

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Sinopse de amor e guerra”

O seu endereço de email não será publicado.

Relacionados